Quem é Ieshar-Êl?

Os justos do Eterno

Quais são eles?

Ieshar-Êl são aqueles que vivenciam à imagem e semelhança do Eterno, caminhando com Iaurrushua ben David ben Avraham Vivo, a Luz do Eterno: “ estão no mundo, mas não são do mundo[1].

Atravessam as atribulações, fiéis ao Eterno, em qualquer circunstância, irradiando a Paz no Testemunho da Luz, espalhando a Semente do Bem, por onde passam, por meio de seu exemplo.

Tratam os demais como a si mesmos, no amor, com exemplar dedicação, tendo como objetivo a vivência de filhos do Eterno – ser parte da Família do Eterno e de Seu Filho, Iaurrushua ben David ben Avraham Vivo[2].

Ieshar-Êl é o filho do Eterno, o espírito criado pelo Eterno à Sua Imagem e Semelhança – que, em sua existência, vivencia o ser que é, domina a mente que tem e não é, afasta toda e qualquer influência ou envolvimento, e se utiliza da mente, no que precisar, sem se deixar dominar.

Nada o domina. É íntegro – santo –, manso, solícito, ama o irmão como a si mesmo, em uma atitude de pensamentos, palavras e ações em santidade: pensamentos no Bem, palavras no Bem e ações no Bem.

Trata a todos como partículas do Eterno que são. Aceita o irmão, sem crítica, dando amor, mesmo que não o receba; aceita as circunstâncias e ofensas, sem revolta e sem se deixar atingir, pois, sabe que o mal é para aquele que o faz, e não para aquele contra quem é dirigido; desculpa, sem lamúria; persevera, dando exemplo do que é, e não do que não é.

É aquele cuja palavra é em sintonia com a Presença do Eterno – que nunca se utiliza do mal, do que não é, para afirmar o que é; e que, por isso,

em vez de falar

diz

“Pai, não me deixe cair”

“Pai, segura-me”;

“Pai, não me deixe adoecer”

“Pai, dá-me saúde”;

“Pai, não deixe faltar coisa alguma”

“Pai, supre-me”;

“Pai, não deixe que seja reprovado no concurso”

“Pai, aprova-me no concurso”;

“Pai, tira-me o nervosismo”

“Pai, acalma-me”;

“Pai, não deixe que eu tenha insônia”

“Pai, faz-me dormir”;

“Pai, não me deixe abater”

“Pai, dá-me segurança e alegria”;

“Pai, tira-me a tristeza”

“Pai, dá-me alegria”;

“Pai, combate meus inimigos”

“Pai, guarda-me”;

“filho, não minta”

“filho, diz a verdade”.

O Eterno nos determina amarmos aqueles que se fazem nossos inimigos. Como, então, pedir-lhe, por exemplo, para “combater nossos inimigos”?! Onde está a coerência?! O filho do Eterno não é inimigo de quem quer que seja!

Enfim, o Eterno é o Bem. A sintonia com o Eterno só se realiza no que o Eterno é. Só no Bem abre-se o contato com o Pai Eterno.

É preciso que o filho se ponha na Presença do Pai. Assim, se, por exemplo, e o filho pede para não passar necessidade, a comunicação com o Pai não se realiza. O filho deve pedir provimento e suprimento. Essa é a sintonia no Bem que o Pai é.

O Pai é o Bem e a Verdade. Na mentira não há comunicação, nem sintonia com o Eterno. Nesse caso, a sintonia se estabelece com o pai da mentira: “ Vós tendes por pai ao diabo, e quereis satisfazer os desejos de vosso pai. Ele foi homicida desde o princípio, e não se firmou na verdade, porque não há verdade nele. Quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso, e pai da mentira. [3].

Ieshar-Êl caminha em sintonia e na Presença do Pai Eterno, pelo espírito, como o filho que ele é – à Imagem e Semelhança do Pai.

A carência advém do mal, da ilusão do filho que se afasta da Presença do Eterno. Não é o Pai que Se afasta do filho. É o filho que, iludido, sai da sintonia com o Pai Eterno – a exemplo de uma tomada desligada da corrente elétrica.

Ieshar-Êl é o filho na Presença do Pai – um com o Eterno: altar vivo, onde o Pai Eterno habita, participante da Promessa no Paraíso, com Iaurrushua ben David ben Avraham Vivo!

Esse é o único propósito de vida!



[1] Iochanan (João),15:19; 17:14.16.

[2] O Nome do Messias aparece no texto hebraico de Matiáu (Mateus), 1:1.

[3] Iochanan (João), 8:44.